Pipoca que aquece o coração

[review sem spoilers]
Uma meiga história sobre um cara que descobriu ser o único a se lembrar das músicas dos Beatles, depois que um apagão ocorre no mundo todo. Esse é o gracinha, Yesterday.

Yesterday é um filme britânico, embalado pelas músicas dos Beatles, de um jeito bem humorado e fazendo direta relação com as comédias românticas mais clássicas, onde um cara tem uma amizade com uma garota, mas não consegue perceber o que está muito claro para todo mundo: eles se amam. A história (e isso não é spoiler, pois tem no trailer) começa a se desenrolar, quando esse cara, Jack Malik (Himesh Patel), após perceber a frustração que vivia em sua carreira como cantor, decide abandonar esse caminho.
Mesmo com o incentivo incansável de Ellie (Lily James), Jack toma a sua decisão e segue de bicicleta, ladeira abaixo, num dia de chuva, até que um blecaute atinge o mundo e um ônibus atinge o rapaz. Ao acordar com um dente quebrado e numa cama de hospital, Jack se depara, também, com uma espécie de universo alternativo onde os Beatles nunca existiram e ninguém  conhece as músicas, exceto ele, que chega com sua memória intacta.

A partir daí, uma sucessão de cenas engraçadas e inteligentes se seguem, em que tudo faz sentido, mesmo que não se tire nenhum momento para explicar o que está acontecendo de fato e o porquê de Jack se lembrar e as outras pessoas não. 
Não é impossível prever que a vida do rapaz dá um virada importante e ele se torna um famoso músico. Principalmente, depois que, ninguém menos que Ed Sheeran (fazendo ele mesmo) aparece em cena e o convida para abrir seus shows.
Numa consecutiva e leve sequêcia de momentos embalados pelas diversas fases musicais dos Beatles, o filme caminha para final muito interessante em comparação com outros longas que seguem uma ideia parecida (de mexer com a linha espaço-temporal), o que se torna uma grata surpresa para quem vai acompanhando a narrativa com expectativa e torcendo pelo casal protagonista.
É preciso entender, que Yesterday está longe de ser um filme inovador para o gênero de comédia romântica, muito menos é uma obra das mais primorosas de Danny Boyle (que já dirigiu grandes filmes como Transpointing, Quem quer ser um milionário e A Praia), mas é uma obra delicinha, que traz um calorzinho no coração e faz a gente se sentir feliz. 

Fora a trilha sonora, que, para quem gosta do quarteto britânico de Liverpool, é um presente à parte.
No final, é um filme que homenageia a obra da banda, traz em foco uma ideia de "se não fosse isso, seria outra coisa" - quase como uma noção de inevitável - mas ainda sim, consegue se destacar em meio ao gênero fílmico que se sustenta.
Especial aplausos para as regravações cantadas por Patel; as piadas envolvendo Ed Sheeran e na delicadeza que é Lily James, em mais um papel de destaque.
E claro, a música One Life do Edinho, que me fez emocionar!

Nenhum comentário