शेर*


Depois de Quem quer ser um Milionário, Dev Patel não parou de trabalhar. Fez O Exótico Hotel Maringold, Chappie, O homem que viu o infinito (para citar alguns) e mais recentemente Lion. Para quem viu o jovem ator britânico em Skins, saber do percurso que ele fez é interessante, porque demonstra claramente a sua inclinação em fazer papéis de personagens profundos e que tem muito a dizer. Ele cresceu com os seus personagens, amadureceu com eles e muitas vezes, esses mesmo personagens parecem ser uma forma dele manter-se próximo de seus ancestrais indianos.
Desta vez, concorrendo ao Oscar por sua atuação, Dev encarna Saroo, um indiano que aos cinco anos se perdeu do irmão mais velho e fez uma jornada de mais de 1600km de trem, passou por diversas provações, foi parar no orfanato, até que foi adotado por um casal australiano.
Baseado em uma história real e também no livro "A long way home" do próprio Saroo Brierley, Lion - uma jornada para casa, conta a história desse indiano, enquanto se debruça sobre o Google Earth em busca de algum sinal de que pudesse lhe direcionar para a vida que tinha quando criança. Sua busca levou anos e sua persistência em encontrar esse caminho é comovente, assim como a atuação do incrível Sunny Pawar (Saroo criança), que é a verdadeira estrela desse longa. 

Ao lado de Abhishek Bharate (Guddu), Sunny nos leva pela quase primeira hora do filme de modo arrebatador. O laço entre os irmãos é uma força motriz poderosa e que faz todo o sentido de ser tão presente nas lembranças de Saroo, bem como de ser o que o leva a recordar de tanto do seu passado. Fica evidente o quanto Guddu significou para Saroo e o quanto tê-lo perdido deixou o menino sem uma parte de si.
Do outro lado, temos uma Nicole Kidman (Sue) que é consistente e com jeitão de mãezona, daquelas que faz de tudo para dar o melhor e prover segurança para a sua família. Sua relação com John (David Wenham) é uma das bases sólidas de Saroo e isso fica claro. 

De modo geral, a presença de Rooney Mara, no entanto, é um pouco confusa. Fiquei pensando sobre essa personagem e cheguei a conclusão que, talvez, a intencionalidade de ela ter certo destaque, está no fato de Lucy não ter conseguido construir uma verdadeira relação com Saroo, até que ele entendesse sobre si, afinal de contas, a parte da história de jornada, Lion realmente conta uma história de descobrir o seu próprio passado, para viver o presente e seguir em frente.
Com vários momentos encantadores, embalados por uma fotografia lindíssima, Lion é no seu todo um filme coeso. Tem ritmo, tem enredo, te conquista com as atuações e te emociona com uma história que, ao mesmo tempo em que é distante, é real. Real o suficiente para você ver o quanto é preciso de sorte e determinação para sobreviver, assim como um leão. 

*Sheru, em hindi, que significa Leão.
Pitacos: Não sei se Lion vai levar alguma estatueta para casa. Com Moonlight e La La Land concorrendo para Melhor Filme; Viola Davis em Atriz coadjuvante; Moonlight novamente em fotografia; La La Land de novo em Trilha Sonora, só me resta crer que Dev leve o prêmio para casa como ator coadjuvante, mesmo que nas apostas, Mahershala Ali de Moonlight esteja em primeiro.
Indicações: Melhor Filme, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Fotografia, Trilha Sonora, Roteiro Adaptado.

Share:

0 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.