Topo do Empire State Building

Sabe aquele tipo de filme que desde a primeira cena você já sabe que vai amar? Que ele vai integrar a sua lista de filmes para ouvir para sempre e que você não consegue desgrudar os olhos e os ouvidos, porque quer saber o que vai acontecer em seguida? Então...isso aconteceu comigo, assistindo ao Song One.

Como um filme integrante da minha lista de 15 filmes para aguardar no primeiro semestre 2015, eu já tinha compartilhado com vocês sobre o que se trata esse delicioso filme, mas caso você não se lembre aqui vai: o filme conta a história de uma antropóloga (Anne Hathaway) que, ao saber que o seu irmão, Henry, esteve envolvido em um acidente de carro e está muito mal no hospital, retorna a sua cidade natal e lá começa a procurar por formas de fazer o seu irmão reagir. No processo, ela descobre que ele é muito fã desse cantor James Forester (Johnny Flynn) e que sempre assistia aos seus shows. Na esperança de que essa seja a salvação para ele, Franny, vai atrás do cantor misterioso.
E a história realmente se desenrola nesse redor, onde ao encontrar o cantor, eles se envolvem na cidade sonora atrás de qualquer estímulo que possa ajudar Henry (Ben Rosenfield) a acordar do coma. Ao longo desse passeio, Franny e James vão se aproximando e (re)descobrindo um mundo que havia sido colocado em segundo plano para ambos. 

Sendo um filme completamente musical e ruidoso, sem que você perceba de modo consciente, todas as cenas tem barulhos e movimentos sonoros, que fazem com que sejamos conduzidos através de um misto de música, sons ambientes e leves batidas que parecem ter muito a ver com nosso próprio coração. Fora que é, por conta dos sons que entramos, juntamente com Franny, no mundo de uma pessoa que parece conhecida, mas que por diversas razões se tornou estranha. Fica claro, inclusive, que a relação de Franny e seu irmão não andava nos melhores termos.
Bom, ressaltando o fato de que Leãozinho tocou, a trilha sonora toda é um presente incrível, misturando Folk, Rock e o rasgadinho do Country, em letras tocantes e sentimentais. Eu destaco Bulb Went Black, Little Yellow Dress, In April, Silver Song e Afraid of Heights.
Além da parte musical, vale dizer que Anne Hathaway conquista-nos a todo o momento, com uma Franny delicada, complexa e realmente apaixonante. Tal é a nossa paixão pela moça, que compreendemos o motivo de James ter se encantado por ela de modo tão único. O envolvimento que acontece entre os dois é tão sensível, que é visto como um acontecimento natural do filme, mais natural ainda é a forma como a relação que eles constroem juntos nos leva a perceber como as vidas das pessoas podem se transformar completamente, dependendo de quem passa por elas.
Terno, envolvente e quando termina você continua pensando sobre os enlaces e o que mudou naquelas vidas, na sua e como você pode vencer seus próprios medos. Sera que você pode, finalmente, subir ao topo do Empire State Building?

Share:

3 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.