Martelos e Pregos

Tem um 'ditado' em inglês, que costuma nortear várias das coisas da minha vida: "Low Expectations, Low Frustrations" (baixas expectativas, baixas frustrações). Esse dizer está gravado na minha mente e sempre que vou começar algo, conhecer algo ou ver algum filme pela primeira vez, tento me lembrar disso, para não me frustrar muito, o que nem sempre é possível...
Dessa vez foi possível e eu me diverti bastante com esse filme que tem Will Smith, Rodrigo Santoro e Margot Robbie no elenco: Golpe Duplo.

O filme conta a história de um trapaceiro profissional, Mellow (Will Smith), que ao treinar Jess (Margot Robbie), uma novata no ramo de trambicagem, porém extremamente promissora; acaba se apaixonando pela moça e criando com ela um laço que pode colocar a sua frieza a perder. Depois de tomar uma difícil decisão, eles se separam, se reencontrando anos depois sob circunstâncias bem diferentes e ligados por um esperto empresário do ramo dos automóveis, Garriga (Rodrigo Santoro).
Tendo algumas semelhanças com o adorado (por mim) Truque de Mestre, Golpe Duplo se foca em fazer diversas brincadeiras com a nossa capacidade (ou falta dela) de prestar atenção nas coisas, fazendo com que a gente caia em descrença pelo não visto, não compreendido e, em diversos momentos, não crível. Sim, parece se tratar de ilusionismo aplicado para a gente ter um déjà-vú de "Mister M", mas na verdade nenhum segredo é revelado, exceto a exploração do simples fato de como somos desatenciosos.

Nenhum dos personagens tem boa índole, mas todos eles tem ímpetos de humanidade, o que faz com que eles sejam 'bons' ou 'maus' de acordo com o que o momento pede deles. Daí podemos extrair ótimas considerações sobre, até que ponto, nos tornamos aquilo que temos dentro de nós mesmos (o que seria inato) e até que ponto o meio nos 'condena' a agir de uma determinada maneira. Essa questão é bastante determinante, uma vez que ela norteia a história para o seu desfecho.
Entre dois homens, Margot é a verdadeira estrela desse longa, roubando a cena quando aparece, sendo a principal força motriz que impulsiona boa parte dos acontecimentos, mesmo que ela não se dê conta disso. Sensual, sem apelar para o vulgar, sua personagem torna plausível o que acontece e como acontece, mesmo que ela esteja imersa numa quase adorável igenuidade. Esperava que Rodrigo Santoro fosse ter mais destaque, mas seu personagem é uma brincadeira ácida colocando entre uma péssima caricatura de um magnata latino-americano e uma primorosa interpretação de um cafajeste de primeira viagem!

Vale ressaltar, que demora para que a gente compreenda, exatamente, os enlaces dos personagens, assim como o que os motiva, mas terminamos o filme com a impressão de que somos movidos apenas por duas coisas: ambição e paixão.

Share:

1 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.