Musicais, queda e tons patéis

A premiação da noite passada não apresentou grandes divergências do que já se esperava. Pelo menos por mim. Os prêmios foram bem distribuidos e quase todos os filmes que concorreram em algo levaram pelo menos uma estatueta, inclusive aquelas consideradas "de menor peso" por se tratarem de prêmios técnicos. Mas como Oscar é um dos meus prêmios favoritos, aqui vão algumas observações que eu achei interessante dividir com vocês; 
A Disney, ontem, somou mais dois Oscars na prateleira pelas animações Avião de Papel (Melhor Curta de animação, que eu falei aqui) e Valente (Melhor filme de animação, que eu falei aqui e aqui). Os dois prêmios não foram nenhuma novidade, visto que hoje só temos três grandes estúdios produzindo animação recorrentemente: Disney/Pixar, DreamWorks e BlueSky; logo o prêmio não poderia ir para muito longe.  
Não vai muito longe também as premiações de Melhor atriz coadjuvante, Melhor Ator, Melhor filme estrangeiro e Melhor roteiro original, não poderiam ser diferentes de, respectivamente, Anne Hathaway, Daniel Day Lewis, Amour e Tarantino por Django Livre. Assim como não é surpresa que Adele tenha levado o de canção original, pelo ótimo Skyfall. 
Ela, inclusive, estava belíssima e cantou muito bem ao vivo. E claro, como eu falei no Twitter ontem, não basta Grammys e Globo d e Ouro, tem que ganhar o Oscar também.
Provavelmente o prêmio mais concorrido da noite passada, foi o de Melhor Atriz, que tinham entre suas concorrentes excelentes opções, mas quem levou a estatueta para casa, foi Jennifer Lawrence, por seu papel em "O lado bom da vida". Lawrence, inclusive, pegou uma quedinha na hora de ir receber o prêmio, provavelmente ela sentiu os comentários ferinos que foram disparados pelo Twitter, por Emmanuele Rivas não ter ganhado, mas assim...como eu falei aqui e também no twitter, esse prêmio era de Jennifer ou de Jessica. Entendam uma coisa, apesar de Emmanuelle ser linda, fofa, idosa e ter atuado de maneira tão forte em "Amour", ela ainda não teve muito destaque por trabalhos anteriores, o que leva a Academia não premiá-la ainda. Repito, AINDA. 

Algumas pessoas também acharam meio absurdo Spilberg ter perdido a estatueta para Ang Lee, mas sinceramente não acho tão estranho assim, pois a verdade é que Lincoln disparou na frente com 12 indicações, mas só levou 2 prêmios e isso mostra que apesar de o filme ser muito bom, não é excelente (o que é verdade) e que ele parece ter, na verdade, flopado entre os concorrentes. Como eu já havia comentado aqui, o que faz de Lincoln um verdadeiro bom filme é Daniel Day Lewis.
Minha única surpresa foi Argo ter vencido de Melhor Filme. Não porque o filme não merecesse, mas porque nunca vi um filme levar esse prêmio sem seu diretor concorrer na categoria de Direção. Tanto que fui pesquisar e a última vez que isto aconteceu, foi em 1989 com "Conduzindo Miss Daisy". Algo que também não acontecia há muito tempo, mas teve esse ano, foi um empate. A última vez que isso aconteceu foi na categoria de Melhor Atriz, entre Barbra e Kathryn Hepburn em 1969. Dessa vez o empate aconteceu entre "A hora mais Escura" e "Skyfall", que levaram para casa o prêmio de Edição de som, dois suecos, inclusive.
De modo geral, o Oscar que teve como tema musicais, foi uma cerimônia do tamanho que precisa ser, sem muita enrolação, mas com piadinhas bem sem graças do diretor de Ted (que apresentou a premiação). A única piada realmente engraçada foi a de Daniel Day-Lewis, em seu discurso cheio de sacadas engraçadas. Confere ai.

Share:

0 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.