Latinização da Telinha

Misture adolescentes que cantam, dançam e vivem situações divertidas, com uma grande "label" por trás, como Nickelodeon e Disney Channel. Você tem uma receita de sucesso garantido, especialmente se esses personagens são de origem latina. E não é de hoje que essa receita é possível de ser vista, mas não sei muito bem dizer quando que essa febre latina começou nas grandes emissoras. Penso eu que tenha se iniciado com o sucesso estrondoso de Rebelde, que tinha nos Estados Unidos um dos maiores públicos. Na época não precisava pensar muito para saber o motivo do sucesso. Tratava-se da grande maioria dos imigrantes habitantes dos Estados Unidos e como eles era um público expansão.
Some isso ao fato de que o público latino é o que mais cresce, tanto no consumo de produtos, quanto na produção cultural. Já que o espanhol ganhou proporções grandiosas, principalmente nas Américas (sendo a língua mais falada do território), onde conseguiu mostrar a cara com uma produção de telenovelas mexicanas para todo o canto, assim como as novelas brasileiras que hoje são as favoritas de muitos cantos do mundo.
Mas o que eu acho que começou com Rebelde foi o foco dado em produções destinadas a um mercado que cresce e que se torna cada vez mais cosmopolitano, os jovens. E para eles aquela receita de música, dança, amores dramáticos e situações bem caricaturadas parece funcionar muito bem, já que hoje, na América Latina, o programa mais assistido é o seriado Violetta. 

Com um elenco formado por atores/cantores/dançarinos argentinos, a história é bem boba, com a personagem principal que escreve canções através das suas experiências diárias e que sonha ser uma cantora muito famosa. Além dela, temos os personagens que são apaixonados por ela, a garota muito popular, que detesta Violetta e claro, o grande obstáculo que não a deixa realizar seus sonhos: seu pai.  Além de Violetta, é possível pensar em algumas outras produções latinas que encheram as telinhas e os olhos dos adolescentes, como Isa TKM, que tinha uma música muito parecida com a de Violetta, mas era da Nickelodeon e o elenco era Mexicano. Ou mesmo Sonha Comigo, que brilhava nas noitinhas contando a história da escola de artes. 
Para alcançar o gênero masculino, eles também apostaram em Jake e Blake, e Peter Punk, que apesar de focar em música, relações amorosas e aventuras, pretende ter uma abordagem mais masculina, com rock n roll como pano de fundo e meninos como personagens principais. 

Apesar dessas séries tentarem incorporar elementos culturais dos locais onde foram gravadas, é perceptível que elas ainda parecem muito mais com típicas histórias de adolescentes norte-americanos, do que algum país latino. Até mesmo Quando toca o sino, uma produção disneyana com atores brasileiros, o colégio é um típico High School, que de diferente só tem a língua. Todos parecem fazer grande sucesso, menos High School Musical: o desafio, que foi um fiasco de bilheteria e foi esquecido em algum lugar nas mentes dos brasileiros.
O investimento é excelente, é um público em expansão, consumidor ávido e que se sente mais próximo, mas penso que o dinheiro ia ser mais bem gasto, se tivesse sido algo realmente latino...ou será que não faria sucesso?

Share:

1 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.