Sobre (não) ser parte de algo

Existem muitas oportunidades que aparecem pra gente de uma maneira tão rápida e inesperada, que muitas vezes nos questionamos se de fato estamos em um momento de sorte (como uma maré) ou se devemos nos precaver e não pular dde cabeça de uma vez.
Bom, quando tive a oportunidade de embarcar nesta aventura, imaginei que seria uma daquelas aventuras, em que (lógico) trabalharia, mas que tambem poderia rencontrar alguns dos meus sonhos e alegrias de viver. Se eu disser que foi exatament eo que aconteceu eu estaria cometendo um perjúrio aos 10 mamdamentos.
Quando trabalhamos em uma empresa a tendência natural das coisas é que nos tornemos parte dela, não apenas por causa da nossa força detrabalho, mas também por que construimos uma nova identidade oara fazer partedaquele meio.
O grande problema é que, fazer parte não necessariamente significa isto: FAZER PARTE.
Ter o "power of will" e o pensamento positivo de querer fazer um bom trabalho, em fato, lhe ajuda 50% do caminho. Ninguém chega onde quer apenas por achar algo legal e ser mais ou menos dedicado nesta atividade. Na verdade ter tais quesitos são osprimeiros passos para se ter sucesso e de fato, ser parte de alguma coisa.
E lá você está, bem disposto e animado para conseguir fazer algo bem, está se dedicando, dando o sangue e fazendo de tudo que está ao seu alcance para ter um sucesso. Só que é ai, neste momento que surgem os outros 50% do pacote: outras pessoas.
As outras pessoas possuem a incrível capacidade de serem dubiamente importantes,por exemplo: Relacionar-se com as pessoas certas dá-nos oportunidades de crescer e de nos estabilizarmos. Enquanto que a convivência acaba mostrando a verdadeira face destas.
Como eu flaei no post Tchau querida! é sempre excencial saber separar o pessoal do profissional, agora existem situações em que o profissional nada mais é do que um reflexo da desestrutura pessoal.
Tenho lidado estes ultimos dias com pessoas deste nipe, e tem sido um verdadeiro inferno! Desculpem o desabafo, mas é a mais pura verdade, profissionalmente eu sou completamente diferente de quem eu sou pessoalmente, sei muito bem diferenciar uma ofensa ou chamada de atenção para quem eu sou no íntimo (minha personalidade), com umaofensa direcionada a minha capacidade.
Como não tem como eles me ofenderem profissionalmente, eles o fazem no âmbito pessoal. Sim, é como já me disseram e como eu sempre digo a mim mesma, estas pessoas não pagam as minhas contas e nem ao menos são importantes para minha existência, mas assim mesmo sou humana.
Gosto de ser "gostada", gosto ter funções e importância e o mais importante de tudo, gosto de fazer(de verdade) parte de algo!
Estou tentando o meu máximo aqui...mas será que alguém liga? Eu ligo e por isso não deixo e nem deixarei ninguém pisar em mim!
*I will not be weak anymore = Eu não serei mais fraca!

Share:

0 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.