Que olhos grandes você tem!

Sempre é uma chateação sem tamanho, quando vou ao cinema empolgadíssima para assistir a um determinado filme e o dito acaba sendo uma bela perda de tempo!
À princípio, quando vi o trailer, só conseguia pensar em como parecia ser um daqueles filmes realmente legais, mesmo tendo em mente que tinha sido dirigido pela mesma diretora de "crespúsculo". Convenci-me através do trailer e convenci meu acompanhante a assistir comigo, iludida e acreditada de que valeria a pena.
Até os 15 minutos iniciais do filme, você já tem uma idéia do sentido do filme. Entende que a menina Valerie é importante para o desenrolar da história e que ela, provavelmente será o alvo do lobinho, como uma paixão sem limites ou algo parecido. Parecia, já  com15 minutos, um clichê à lá crepúsculo.
Aí, rapidamente, você se surpreende com uma possibilidade engraçada, a possibilidade do filme ser bom. Isto acontece quando o mistério de quem poderia ser o lobo permanece e se instala no filme. É automático que você passa a montar teorias sobre quem seria este personagem e a verdade é que, você passa a perceber que continua ali, na cadeira do cinema pois quer descobrir quem é, não por que a história está interessante.
A partir do momento em que o sádico personagem do padre aparece pela primeira vez o filme começa a entrar em uma espiral de clichês, atropelando expectativas positivas sobre o filme. Passamos a analisar o filme como se fosse "mais um filme da doida do crepúsculo", o que ao meu ver não é exatamente positivo a ela.
Como sempre, um triângulo amoroso aparece, na figura de Valerie, Peter e Henry (lê-se Bela, Jacob e Edward), não que, exatamente tenham as mesmas características físicas e pessoais, mais que acabam por cair no mesmo tipo de clichê de Crepúsculo. (a menina sem sal, que tem dois caras aos seus pés. É óbvio que ela ja escolheu um, mas não, exatamente, retira as esperanças do outro).
Estereótipos são construídos e de repente você se depara com uma fraqueza de personagens, que pertuba até o mais desatencioso dos espectadores.
E o mistério permanece ali, enchendo o saco e de certa forma não deixando você ir embora por que quer saber quem diabos é o lobo!
Ressalto, também como ponto negativo, que o vilarejo parece ser muito medieval para o enredo da historia,em certo momento fiquei confusa em que período a história se passava e como, mesmo tao perto da cidade (que o lobo consegue ir lá em uma noite) eles ainda vivem como aldeões solitários  isolados?
As cenas do final do filme são forçadas, mal construídas e confusas e o final não convence!
O roteiro é fraco, sem expectativas grandiosas e me faz querer dormir em certo momento. O filme força a barra para ser intenso, quando abusa de sangue, morte e erotismo (convenhamos que quando uma história é boa, mesmo a que envolva histórias com morte, não precisa ter tudo aquilo de sangue!) Em certas cenas senti-me como se estivesse vendo um filme de guerra de baixo orçamento, ou mesmo "A Bela e a Fera - dark" em outras palavras, trash que poderia ser legal se tivesse um enredo interessante e não apelasse.
Das coisas positivas: bom, você consegue dar uma limpada na vista (os atores e atrizes são muito bonitos), a fotografia é super interessante, muito bonita mesmo, além da customização (figurino) das personagens. Boa coisa também é a trilha sonora, que tem musicas bem ao estilo Muse e Chemical Brothers.
Sinceramente, não recomendo a ninguém assistir ao filme no cinema, se tem alguma criatividade espere ele sair em dvd. Acredite, não vai perder grande coisa.

Share:

0 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.