"É pequeno, nao!?"

Inspirada pela matéria "Inocente Bolena?" da revista Aventuras na História deste mês, eu resolvi falar um pouco desta que eu digo ser a reencarnação, desta que eu tenho grande apego pela história e mais ainda, que sou uma fã alucinada por aquilo que acreditava e o que foi capaz de fazer. Ana Bolena.
Voce sabe quem ela foi?
Bom, nao se sabe exatamente o ano em que Ana nasceu, mas sabe-se que foi entre 1500 e 1507, mas o que se sabe são os caminhos que ela seguiu. Morou na Austria por alguns anos, e perto de seus 20 anos viveu como dama de companhia da rainha Claudia, na França, onde veio a se apaixonar perdidamente pela corte.
Em 1521 ela é chamada de volta a Inglaterra, pela iminente guerra entre França e Inglaterra, assim, por sua experiencia, Ana se tornou dama de companhia de Catarina de Aragão, a Rainha.
E entre jogos de seduçao para conquistar o rei, ela acaba por conquistar o nobre Henry Percy, mas pela epoca em que Percy pediu-a em casamento, Henrique VIII ja estava apaixonado pela moça de madeixas castanhas e exigiu que a moça nao se casasse com o nobre.
Diferentemente de muitas outras moças que visitavam a alcova do rei, Ana nao se deixava levar somente pela promessa de se dar bem financeiramente, nao, ela queria muito mais! Queria ser totalmente de Henrique e mais ainda, queria ser Rainha.
Tinha certeza de que poderia ser uma rainha melhor que Catarina e que poderia dar um filho homem ao rei.
No inicio de 1533 ela estava gravida da, considerada maior rainha de todas, Elizabeth I. Eles se casaram em segredo, mas Ana so conseguiu a coroa em 1o de junho, isso porque o arcebispo de Canteburry parecia ter uma sensibilidade grande por ela.
Dentro do contexto da Inglaterra da epoca, nao era errado voce trair e ser traido. Esse quadro era hipocritamente repreendido quando a mulher quem traia, no entanto que todos faziam, bom...podemos dizer que sim.
Entao se Ana traiu o rei, nao pode ser condenada por uma prática que era relativamente perfeitamente aceitável, seus motivos que devem ser questionados. Sua ansia de dar um filho homem a Henrique poderia te-la levado a trair o grande amor de sua vida, no entanto nao ha dados exatos sobre isso, uma vez que dos quatro acusados de traiçao, apenas um foi confesso (mas este deveria ser qse que desconsiderado. Tratava-se do musico da corte, um homem completmente apaixonado pela rainha). E, citando a materia da revista: "Com medo do castigo divino, os criminosos quase sempre admitiam o delito até minutos antes de morrer. Se fosse culpada, ao insistir a inocencia, Ana estaria cometendo perjúrio nao so aos olhos dos homens, mas aos de Deus. E qualquer pessoa do sec XVI acreditaria que isso levaria à condenaçao eterna.".
Eu sou das defensoras de que Ana nao traiu o rei, mas de que foi alvo de perseguição dos simpatizantes de Catarina de Aragao, dos interesses do Rei e principalmente da raiva de alguns invejosos da corte.
Por causa do raixa que Ana causou ou fez causar na Igreja Inglesa, muitas pessoas tinham raiva dela e muitas outras tinham adoraçao (por causa do instauro do divórcio), mas o grande fato ai, é que por análise do amor que existia entre os dois, e por declaraçoes em cartas e registros, nao podemos dizer que simplesmente ela era uma ladra do trono e traidora. Compartilho da premissa de que novas questoes devem ser abordadas e que novas ideias devem ser discutidas a cerca de Bolena, no entanto nao podendo esquecer que a abordagem do contexto do sec XVI é mais importante para a compreensao das decisoes e investidas tomadas pela mulher mais importante da epoca (para mim), Ana Bolena.
Fato é que, por sua propria culpa, sua traiçao, seu pensamento para frente ou perseguição, em 19 de maio de 1536, apos mil dias de sua coroaçao, Ana Bolena seria decapitada por uma espada e ainda teria falado coisas lindas ao seu rei, as pessoas presentes e para o carrasco disse apenas: "É pequeno, nao?!"

Share:

0 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.