Sobre a despedida


Não sei quantos de vcs ja passaram pelo lugar em que a morte toma nas nossas vidas. Nao estou falando de experiencias extra-corpóreas ou de quase-morte, nao...estou falando em "perder" alguém amado e querido na sua família ou no seu círculo de convivência.
Mais do que estar de luto por ter perdido a minha avó na ultima segunda, 03, eu comecei a pensar sobre outras coisas, outras que na verdade ja tinha me tocado da sua existência, no entanto nunca tinha aceitado o quanto me incomodavam.
E me incomodam.
Falo do tempo, da vida e das decisões.
Eu sempre me encontrei um passo a frente de tudo e de todos para que nao fosse, nem surpreendida e nem machucada, mas parece que ao fazer isso, eu só afastava as pessoas e por consequencia me sentia ainda mais vulnerável. Sentia nao, sinto. Ainda sinto esse tipo de buraco negro que parece me puxar para dentro de si, nunca deixando com que eu pudesse sair, pelo menos nao enquanto eu nao tivesse força o suficiente! A grande questão ai, nao está no fato de eu possuir ou nao tal força, mas o quanto de mim é essa força!
Parece confuso, talvez seja mesmo, mas eu cheguei à conclusão de que preciso ser confua as vezes, e preciso entender que a vida é um trem só, e quanto voce menos espera os passageiros descem nas estaçoes e nao voltam mais...e claro, quanto voce menos espera o seu trem chega ao seu destino final.
E quando o meu trem chegar ao seu destino final, eu quero, e muito, olhar para trás, com um largo sorriso no rosto e dizer:
VALEU A PENA!

3 comentários

Felicidade Clandestina. disse...

): a vovó faleceu ...

ô irmã, eu quero te ver logo, pra poder te abraçar e não permitir que fiques triste por mais tempo assim

TE AMO . (L)

sinto muito mesmo por isso, queria estar ai agora )):

Daniel disse...

É difícil nos proteger dos perigos do mundo. Nem sei como você já conseguiu isso, se é que realmente conseguiu.

Quanto temos esse tipo de receio todos a nossa volta passam a ser suspeitos e não conseguimos mais nos aproximar por medo de se machucar. As pessoas percebem e vão se afastando.

É claro que realmente há pessoas que não merecem nossa amizade, afeição e etc... mas outras não... e o mundo de um modo geral é muito lindo para se viver. Para curtir. Para sorrir. Para MUDAR. Sempre há tempo. Sempre É tempo.

Beijos

Regina disse...

Despedidas... passei por uma essa semana. Aliás, uma semana hoje. Pelo menos, tenho certeza que reencontros existem.