Os sapatos perfeitos


Homens nao conseguem entender o que um sapato perfeito significa para uma mulher, mas eu vou tentar sintetisar o que seriam para os visitantes do sexo masculino.
Um sapato perfeito dá a sensaçao de que o mundo pode ser um lugar mais bonito, pois é assim que nos sentimos, mais bonitas. Citando Sophie Kinsela, repetiria as sábias palavras dela:

"O que há com os sapatos? Bom, eu gosto de quase todo tipo de roupa, mas um par de sapatos fabulosos consegue me reduzir a geléia. Algumas vezes, quando não há mais ninguém em casa, eu abro o guarda-roupa e fico só olhando para todos os meus sapatos, como uma colecionadora louca. E uma vez eu enfileirei todos na cama e tirei uma foto. O que pode parecer meio estranho – mas pensei: eu tenho um monte de fotos de gente de quem não gosto, então por que não tirar uma de uma coisa de que eu gosto?"

Mas mais do que isso, sapatos sao indispensáveis (nao discuta com isso) rss, o que quero dizer por indispensáveis é o objeto e nao ele em excesso, massssss, o que é a vibraçao frenética que invade qualquer mulher depois de adquirir um novo par...ou o odio mortal por aquele modelo fantástico nao ter o seu número...
Um pouquinho de história: alguns historiadores dizem que o sapato começou a ser usado a partir de 10.000 a.C., no final do período paleolítico, o que significa que as pessoas ja tinham uma noçao do poder do sapato.
Dizem que nesse período, o uso do sapato era único e exclusivamente para a proteção dos pés. Óbvio que isso foi dito por homens (como muito mais coisas da história), pois, convenhamos, as mulheres já eram ousadas!
No Antigo Egito, as sandálias eram usadas apenas pelos nobres e pelos faraós o que significa que o povão, basicamente, andava descalço. Mesmo assim, as mulheres enrolavam seus pés em linho, o que prevenia-os de queimarem-se ou machucarem-se, mas mesmo ai, elas eram criativas.
Acreditem se quiser, mas na Grécia Antiga os gregos chegaram a lançar calçados de modelos diferentes para os pés direito e esquerdo, e nessa epoca como a sociedade era muito machista, as mulheres nao tinham a liberdade de serem inventivas, no entanto os homens os eram. Esse habito se expandiu até Roma.
Na Idade Média até mesmo os homens usavam saltos (cito o Rei Luis XIV, que se sentia um nanico e usava os saltos para disfarçar). O grande salto da popularização dos sapatos se deu em 1642, na Inglaterra, quando Thomas Pendleton fabricou 600 pares de sapatos, dando início à uma atividade muito lucrativa. Por volta do século XIX começaram a surgir máquinas que auxiliavam a produção, criando aí, um esquema producional.
No oriente, a valorizaçao da quantidade era muito difundida, o que nao permitia que as pessoas possuissem tantos pares de sapatos, apenas depois que o par se estragasse ou o pé crescesse. Só depois que isso foi mudado.
Na era contemporânea temos sapatos assinados, como Jimmy Choo e Manolo. Será que dá para ser realmente inventivo com um sapato? Bom, pergunte a eles, até entao eles estao fazendo um fantástico trabalho.
Na minha concepçao e arriscando levar um monte de sapatada, a culpa de tudo isso é da Cinderela! Com um sapatinho de cristal o principe encantado a encontrou e como todos os contos de fadas, eles tem voz sobre a vida das meninas. Culpemos a cinderela entao!
Já pensou que os sapatos sao tao queridos, tambem, pois sao as unicas peças de vestuário que nao precisamos de dieta para ficarmos lindas usando?

Share:

4 Falas

Mesa de Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.